Sindicato vai acompanhar atentamente nomeação do novo superintendente do IPM

0
105

Foto/Legenda: O presidente Wagner Rodrigues, conversa com uma aposentada que foi apoiar e assinar a petição pública.

O Governo Municipal anunciou nesta quinta-feira, dia 4, oficialmente a saída de Luis Carlos Teixeira, da superintendência do IPM – Instituto de Previdência dos Municipiários, uma reivindicação do Sindicato dos Servidores Municipais de Ribeirão Preto. A nomeação do novo superintendente será acompanhada de perto pela direção do Sindicato. “Sempre lutamos para que o cargo da superintendência, bem como os demais comissionados, fossem ocupados por servidores de carreira (efetivo). Essa luta estará sempre em nossa pauta, pois entendemos que os maiores interessados no IPM são os servidores”, diz Wagner Rodrigues, presidente do Sindicato.

MOVIMENTO MUNICIPAL EM DEFESA DO SERVIÇO PÚBLICO

Mesmo com o anúncio da saída do superintendente o Sindicato dos Servidores continuará com sua agenda do Movimento Municipal em Defesa do Serviço Público. Nesta quinta-feira o Sindicato realizou manifestações na porta do IPM. Um grande número de trabalhadores da ativa e aposentados marcaram presença, uma vez que a direção do Sindicato definiu por atender e despachar no Instituto.

AGENTES DE SAÚDE

Dezenas de agentes comunitários de saúde, que reivindicam o adicional de serviços externos, foram ao IPM para uma reunião com a direção do Sindicato. Servidores do Centro de Zoonoses e Controle de Vetores, que também exigem o adicional também participaram da reunião. Uma comissão de trabalhadores já havia sido formada no mês passado para discutir o assunto com o Governo, mas as conversas não tiveram progresso. Diante do impasse, o Sindicato decidiu com os trabalhadores ir ao Palácio do Rio Branco em passeata. Durante o curto caminho entre IPM e Prefeitura, os trabalhadores receberam apoio da população.
Os diretores do Sindicato e servidores foram recebidos pelo secretário da Casa Civil Luchesi Júnior. Na reunião, o secretário ouviu as reivindicações e marcou um novo encontro para o dia 10, quarta-feira, confirmando a participação também dos secretários da Saúde, Stênio Miranda, e de Governo, Marco Antônio.

GUARDA CIVIL MUNICIPAL

Guardas Civis Municipais que aguardam o Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS) também estiveram com a direção do Sindicato, no IPM. Apesar de pronto, os trabalhos para a implantação do PCCS estavam parados. Eles resolveram ir, a exemplo dos agentes de saúde, ao Palácio Rio Branco, onde também foram atendidos pelo secretário da Casa Civil. Ficou definido um novo encontro para dar prosseguimento ao assunto no dia 12, sexta-feira.
ASSINATURAS – Uma petição pública em defesa do serviço público e pela moralização do IPM também começou a ser apresentada hoje aos trabalhadores. Até o início da tarde cerca de 1.600 pessoas assinaram o documento.

CONTINUIDADE DA AGENDA DE TRABALHO

As manifestações do Sindicato terão sequência nos próximos dias com:
– Continuidade de ações no IPM, com a direção do Sindicato atendendo e despachando no local;
– O Sindicato fará várias assembléias com trabalhadores na porta do IPM;
“Esse reinício do movimento foi muito positivo. Centenas de trabalhadores e aposentados foram ao IPM externar apoio. Assuntos que estavam engavetados, como o PCCS da Guarda Civil e reivindicações dos agentes de saúde, saíram da gaveta. Vamos continuar aqui no IPM porque o IPM é do trabalhador. Vamos continuar essa luta pela valorização e em defesa do serviço público, além da luta por democracia, diálogo social e contra qualquer tipo de arbitrariedade e autoritarismo”, diz Wagner Rodrigues, presidente do Sindicato.

GREVE GERAL DIA 11
Trabalhador dá sinais de grande adesão

Um dos assuntos mais comentados durante todo o dia no IPM por trabalhadores que por lá passaram foi a Greve Geral marcada para o dia 11.
“Isso nos a certeza de que estamos no caminho certo. O servidor mais do que qualquer outra pessoa quer qualidade no serviço público. Convive diariamente com os problemas, mas sabe da importância do seu trabalho. Pelo que sentimos hoje a adesão será muito grande, apesar de sempre haver forças contrárias aos trabalhadores tentando desmobilizar a categoria com ameaças”, finaliza Wagner Rodrigues, acrescentando que a greve se realiza em todo o território nacional, mas que em Ribeirão Preto, além das bandeiras levantadas pelas centrais, terá uma pauta própria e com a possibilidade do movimento se estender por mais dias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui