Centrais expõem a Dilma as bandeiras de luta do dia 11 de julho

0
101

Representantes da CTB e das demais centrais sindicais se reuniram com a presidenta Dilma Rousseff na manhã desta quarta-feira (26), em Brasília, para apresentar a pauta de reivindicações da classe trabalhadora. O encontro foi marcado após a série de manifestações que tomou conta do país nas últimas semanas.

Um dia antes, as centrais sindicais decidiram realizar em 11 de julho um Dia Nacional de Lutas e Mobilizações, com paralisações por todo o país, a fim de pressionar o governo federal e o empresariado. Nesta quarta-feira, os sindicalistas expuseram à presidenta as bandeiras de lutas que serão espalhadas Brasil afora no começo do próximo mês.

Para o presidente da CTB, Wagner Gomes, a reunião foi positiva porque as centrais tiveram a oportunidade de cobrar de Dilma mais atenção à pauta da classe trabalhadora. “Enfatizamos a necessidade de o governo adotar uma política econômica menos conservadora, pois sem isso será difícil obtermos verbas para educação, saúde, transporte e outros setores deficitários e que estão na ordem do dia por conta das manifestações”, afirmou.

Por sua vez, a presidenta reafirmou aos sindicalistas a pauta de cinco pontos apresentada à população na última segunda-feira. Dilma desmentiu setores da mídia e disse que a proposta de um plebiscito para definir a reforma política está mantida.

Voz das ruas

Dilma afirmou também que as centrais sindicais deverão ter assento garantido na comissão que foi tratada com governadores e prefeitos para discutir melhorias nas políticas públicas do país.

Para Joílson Cardoso, secretário de Política Sindical e Relações Institucionais da CTB, a proposta feita por Dilma é positiva. O dirigente, no entanto, afirmou que neste momento é necessário mais do que ouvir a voz das ruas. “É preciso também evitar quaisquer riscos de retrocesso”, disse.

Segundo Joílson Cardoso, as manifestações surpreenderam a todos, mas sua pauta não está distante daquilo que as centrais defendem. “A voz das ruas contém as reivindicações das centrais e vice versa. Temos total sintonia, ressalvados os oportunistas violentos infiltrados no movimento”, afirmou. “Mas não podemos deixar de lado o sentimento que vem das ruas: o país parou de avançar e precisamos ler bem o que está acontecendo. O que vem das ruas é um grito que diz que podemos mais”, completou.

Portal CTB
Foto: Agência Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui