Um mau pagador

0
148

Por Laerte Carlos Augusto – Presidente do Sindicato dos Servidores Municipais/RPGP

Não é apenas tentando aprovar projetos inconstitucionais que o governo municipal vem fazendo um papelão. Na esfera dos compromissos com os servidores, a atual administração tem deixado, com reiterada inadimplência, uma imagem para lá de negativa.

O governo vem planejando mal, gastando mal e buscando mecanismos para deixar de honrar compromissos, inclusive quanto às indenizações trabalhistas. A administração tem dificuldade em entender que há despesas que necessariamente devem ser feitas e despesas que não.

Contratar empresas ou instituições para elaborar uma reforma administrativa repleta de ilegalidades e inconstitucionalidades, em meio a uma pandemia, enquadra-se, sem sombra de dúvida, no tipo de despesas que não precisariam ser feitas.

O governo que sempre inventou fórmulas para não honrar seus compromissos com os servidores não pode gastar recursos públicos para que outros o ajudem a reforçar a estratégia de como promover uma gestão inadequada dos serviços públicos.

O governo tentou criar um procedimento para dividir os valores de verbas rescisórias devida aos servidores. Engenhou um método para não pagar em dia o 13º dos servidores municipais da ativa e aposentados, tentou dar o dito pelo não dito em relação aos servidores do DAERP e da GCM.

Entretanto, graças à atuação competente e combativa do Sindicato dos Servidores, o governo municipal foi obrigado a fazer às pressas o pagamento do 13º salário, rever o decreto que parcelava o pagamento das verbas rescisórias e, agora, responde judicialmente pelos prejuízos causados a milhares de servidores.

Com o notório descaso com os professores municipais e os profissionais da educação, o governo municipal tentou impor um pagamento menor do vale alimentação. O Sindicato ingressou na Justiça por meio de ação coletiva e garantiu o direito dos trabalhadores receberem o vale alimentação no valor correto, conquistando a condenação do governo a pagar os atrasados.

No caso dos 28,35% o governo também fez de tudo para deixar a conta no fiado. Quando o governo foi por este caminho, eu disse, lá atrás, que o Município iria sair dessa aventura devendo mais do que já devia. Dito e feito: o Sindicato já está cobrando judicialmente a multa pelo rompimento do acordo dos 28,35%, e por meio da ação apropriada vai procurar demonstrar a ilegalidade e a inconstitucionalidade daquilo que o governo chamou de “novação”.

O fato é que até hoje o atual governo não conseguiu demonstrar que atrasa suas contas porque não consegue suportar os compromissos. Sem transparência, sem a demonstração inequívoca de que faltam recursos, o governo acaba sendo visto pelo conjunto da sociedade como um mau pagador. Visto também como alguém sempre disposto a aproveitar a Lei de Gerson e tirar vantagem de tudo. Até mesmo de uma pandemia para aprovar a toque de caixa uma reforma administrativa sem a presença a sociedade!

As “soluções” colocadas em prática pela administração em nada ajudam a reforçar a confiabilidade que todo governo deveria gozar. Ao contrário, as medidas propostas pelo governo trazem em si o risco de soluções improvisadas, criando um Município de dívidas. Ribeirão nunca deveu tanto aos seus servidores. Em todos os sentidos!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui