Sindicato triplica número de contratação de cozinheiras anunciado pelo governo

0
105

Atualmente déficit é de 50 profissionais na rede municipal de ensino. Em agosto o COF liberou apenas 5 contratações. Sindicato questionou número insignificante de contratações e governo garantiu que mais 15 novas cozinheiras serão chamadas

 

Depois de se reunir com a Diretoria Atuante do Sindicato dos Servidores Municipais de Ribeirão Preto na manhã desta quarta-feira, 02 de setembro, no Palácio Rio Branco, o Secretário de Governo, Marcus Berzoti, admitiu a carência de cozinheiras nas escolas da rede municipal de ensino e entendeu a necessidade de mais contratações. Em agosto o COF (Comitê Orçamentário Financeiro – da prefeitura), liberou a contratação de apenas cinco profissionais, embora o pedido inicial tenha sido de 25 novos contratados. Diante do vice-presidente do SSM, Laerte Carlos Augusto, e da Coordenadora da Seccional da Educação, Cristiane Francisco Gonçalves, o secretário se comprometeu a chamar mais 15 cozinheiras. Número três vezes maior do que foi liberado inicialmente. De acordo com o governo, esses novos chamamentos devem ser gradativos e finalizados até dezembro.

“Parece que o secretário entendeu que a cozinha de uma escola é essencial para seu funcionamento. É impossível garantir a alimentação de todas as crianças quando não se tem material humano pra fazer o trabalho. Quando eles anunciaram o chamamento de apenas 5 cozinheiras, nós nos mobilizamos imediatamente para mudar essa quantidade”, destacou o vice-presidente Laerte após a reunião. Ele ainda salientou que, embora o Sindicato tenha conseguido triplicar o número de contratações previsto inicialmente, ainda é preciso contratar muito mais. “A defasagem hoje chega a 50 profissionais”, alertou.

Além do papel importante desses servidores, outro ponto que sustentou o pedido do Sindicato de mais contratações, foi a sobrecarga de trabalho que o número reduzido de cozinheiras provoca. Assunto lembrado por Cristiane. “É preciso entender que esses servidores, na maioria mulheres, trabalham dobrado, todos os dias, porque só assim garantem a comida dentro das escolas. A cada dia o número de afastamento aumenta, porque elas adoecem com tanto trabalho”. Ela também explica que assim que o governo cumprir aquilo que foi estabelecido em reunião e aumentar as equipes nas cozinhas, essa rotina exaustiva ficará para trás.

Vice-presidente do Sindicato conversa sobre a contratação de mais cozinheiras com o Secretário de Governo

 

Coordenadora da Seccional da Educação durante reunião com governo. Uma representante da categoria também participou

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui