Sindicato derruba na Justiça decreto do Governo

0
110

Governo não pode parcelar as verbas rescisórias dos servidores que devem ser pagas de uma única vez

Atendendo a ação impetrada pelo Sindicato dos Servidores Municipais de Ribeirão Preto, Guatapará e Pradópolis, a Justiça acaba de suspender liminarmente os efeitos do Decreto nº 297/2018 que parcelava o pagamento das verbas rescisórias dos servidores municipais. O juiz titular da 1ª Vara da Fazenda Pública, Dr. Reginaldo Siqueira, ao conceder a liminar concluiu que “Assiste razão ao Sindicato”. Segundo o magistrado “a disciplina acerca de verbas rescisórias, isto é, o saldo devido ao servidor que extingue sua a relação jurídica com o Município em relação a um cargo, seja efetivo ou puro comissionado, deve ocorrer mediante lei própria”.

Centenas de servidores municipais efetivos estavam sujeitos a prejuízos irreparáveis no momento da aposentadoria, já que o Decreto nº 297/2018 não tinha prazo estipulado para findar-se.

Laerte Carlos Augusto, presidente do Sindicato, comemorou a decisão da Justiça favorável a ação do Sindicato. “Não pode o Governo, mediante decreto, da forma que ele quer e nas condições que ele quer impor o parcelamento de verbas rescisórias devidas a servidores. Esse decreto, além de contrariar a necessidade de lei representava também uma desconsideração e uma injustiça contra servidores que doaram uma vida inteira em prol do Município e do serviço público”.

O presidente do Sindicato afirmou, em entrevista, que acompanha com atenção e aguarda desfecho favorável em outras ações do Sindicato já impetradas na Justiça. Segundo Laerte “em nenhum outro período da história do serviço público de Ribeirão Preto se atuou tanto e tão intensamente contra direitos dos servidores. Nossa missão é reagir contra todas essas investidas e reafirmar o compromisso que o servidor municipal não vai nunca se sentir sozinho nesse momento de resistência que teremos pela frente. O tempo todo o Sindicato estará com ele, lutando pelos seus anseios e seus direitos”.

A petição inicial do Sindicato, com 26 páginas, apresentada pela coordenadora do departamento jurídico do Sindicato, Regina Márcia Fernandes, destaca que ” além da violação do direito, resta caracterizada a potencial violação à dignidade e direito da personalidade dos servidores aqui representados pelo Sindicato Autor. O parcelamento do pagamento das verbas rescisórias não representa apenas um dissabor, ao contrário, salienta-se que tem o condão de impor um dano irreparável e de difícil reparação”.

Ainda na petição inicial atendida pela Justiça, o Sindicato fundamenta que “a impontualidade permanente que se pretende impor em forma de decreto e o adimplemento de verbas rescisória de forma longamente parcelada sem motivação declarada representa, por consequência, a violação aos direitos fundamentais dos servidores prejudicados, especialmente aqueles afetos à dignidade, retratada pela sua integridade física e psíquica, à honra, mas, sobretudo, à sua condição de sujeito-trabalhador, o que atrai a fruição e o gozo de todo arcabouço protetivo do trabalho”.

Confira abaixo a decisão liminar da Justiça na íntegra e a Petição Inicial apresentada pelo Sindicato em 25/10/2018 e atendida plenamente pelo juiz titular da primeira vara da Fazenda Pública, Dr. Reginaldo Siqueira.

petição inicial sindicato verbas rescisórias

Liminar em favor do Sindicato Verbas Rescisórias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui