Direção do Sindicato reúne entidades para discutir futuro do Sassom

0
500

Reunião aconteceu na sede do Sindicato dos Servidores Municipais/RPGP

O presidente do Sindicato dos Servidores Municipais/RPGP, Valdir Avelino, os vices-presidentes, Alexandre Pastova e Caio Cristiano e o diretor da entidade, Gaspar Marcelino, estiveram reunidos na manhã desta quarta-feira (29), na nossa sede, com os representantes da Associação dos Municipiários Aposentados e Pensionistas (AMAP), Drº. José Victor Nonino, da Associação dos Servidores, Ademar Pereira dos Santos, da Associação da Guarda Civil Metropolitana, Matheus Bonani e do Centro do Professorado Municipal (CPM), professor Nilton Cézar, para debater o futuro do Serviço de Assistência à Saúde dos Municipiários (SASSOM) e as diretrizes de luta para a manutenção e melhorias dos serviços prestados aos trabalhadores. Todas as entidades envolvidas no encontro possuem representantes legais no Conselho Deliberativo do Sassom.

A ideia de unidade na luta pelo órgão que cuida da saúde dos trabalhadores foi levantada pela direção do Sindicato diante das investidas do Governo Municipal na tentativa de precarizar os serviços prestados e de impor cobranças absurdas aos trabalhadores.

“O Governo tem tentado tratorar muitas situações no Conselho Deliberativo. Só não conseguiu porque nós, os representantes dos trabalhadores, não temos permitido. A prova disso é que o Governo mudou recentemente, através da reforma administrativa, um artigo na Lei que rege o Sassom que determina que as diretrizes adotadas pelo Sassom sejam definidas em votação simples, e não mais por dois terços dos votos, fazendo sempre que o Governo tenha maioria nas votações do Conselho. Mas vamos lutar também contra isso!”, relata o presidente do Sindicato, Valdir Avelino.

“Esse é um governo que ataca diariamente os trabalhadores. Somente com unidade e luta é que vamos combater estes ataques. Vamos lutar pelo Sassom, pois cuidar da saúde do trabalhador é fundamental”, salienta o vice-presidente do Sindicato, Alexandre Pastova.

“Não tenho dúvida de que não fosse o Sassom na vida dos trabalhadores a saúde da categoria estaria comprometida. Um órgão de tamanha importância não pode ser tratado de qualquer forma pelo Governo. Nossas lutas pela manutenção de um Sassom de qualidade e acessível estão apenas começando”, ressalta o vice-presidente do Sindicato, Caio Cristiano.

“Como representante do Sindicato no Conselho sempre lutei pelo melhor para o trabalhador e pelos seus familiares e essa luta vai continuar”, diz o conselheiro e diretor do Sindicato, Gaspar Marcelino.

“A reunião de hoje foi o pontapé inicial para luta unitária em favor da saúde dos trabalhadores e de seus familiares”, finaliza o presidente Valdir Avelino.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui