Acordo desrespeitado: Servidores continuam sendo obrigados a nebulizar no período da tarde

0
97

A chefia que responde diretamente pelos Agentes de Combate as Endemias está desrespeitando o acordo firmado com o Sindicato dos Servidores na data-base deste ano e continua obrigando os trabalhadores a realizar o serviço de nebulização (aplicação de veneno) no período da tarde com temperaturas altíssimas, prejudicando a categoria e colocando em risco a eficácia do trabalho.

O acordo que suspende os trabalhos de nebulização foi firmado na data-base deste ano. Desde então, inúmeras reuniões foram realizadas com o secretário da Saúde Dr. Stênio Miranda e com a chefia de Combate a Endemias. No último encontro, realizado no dia 1º de setembro, ficou definido que a nebulização seria feita apenas no período da manhã, quando a temperatura está mais baixa e a eficácia do veneno é maior. Porém, na tarde desta quarta-feira, dia 16, o Sindicato dos Servidores foi acionado por trabalhadores da região oeste que foram obrigados a sair para campo. No momento em que os diretores da entidade que representa os servidores estiveram no local, por volta das 14:30, sites que fazem o acompanhamento da meteorologia registravam uma temperatura de 36 graus em Ribeirão Preto e a umidade relativa do ar estava em 19%.

“Existe um acordo desde a data-base, mas ainda insistem em colocar a saúde dos trabalhadores em risco. Assim como prejudica os servidores, o trabalho em condições extremas de calor também compromete o serviço, pois o veneno tem sua eficácia reduzida. Na última reunião ficou tudo acertado, faltando apenas a publicação da resolução. Não podemos colocar fatos burocráticos à frente da saúde dos servidores”, afirma o coordenador da Seccional dos Agentes de Combate de Endemias, Rildo Batista Pinas.

“Tivemos a reunião com os Secretários da Saúde e de Governo, Dr. Stênio Miranda e Marcus Berzoti, no início do mês e tudo foi acertado. Agora, 15 dias depois, a chefia do local desrespeita o acordo e obriga os servidores a saírem a campo com um sol muito forte e com a temperatura em 36 graus. É um absurdo. Se a chefia não gosta e não se preocupa com a saúde dos servidores, nós nos preocupamos e não vamos aceitar que chefe algum passe por cima do que está acordado. Se continuar dessa forma, vamos propor a paralisação dos serviços, sempre que a chefia tentar obrigar colocar os servidores para fazer a nebulização no período da tarde”, revela a coordenadora da Seccional da Saúde, Débora Alessandra.

Sem exames

Outra denúncia feita pelos Agentes de Combate a Endemias é de que os trabalhadores não estão fazendo o exame colinesterase (que deveria ser feito rotineiramente). O teste de colinesterase serve para detectar envenenamento por algum produto tóxico como pesticidas, herbicidas ou adubos. Este teste é feito principalmente por trabalhadores que ficam em contato direto com estes produtos.

“Eu estou há três anos sem fazer o exame de colinesterase. Alguns servidores estão pagando do próprio bolso para fazer o exame. Tem mais um detalhe, quando a gente faz o exame, nós não ficamos sabendo do resultado. Quem garante que está dentro da normalidade para que continuemos exercendo a função? São detalhes que envolvem a saúde do trabalhador e que deveriam ser respeitados”, finaliza Rildo.

Gaspar Marcelino, Diretor do Departamento de Segurança e Medicina do Trabalho do Sindicato verifica se os equipamentos usados pelos servidores estão de acordo com as normas de segurança

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui