Novas vitórias e um desafio constante

0
251

Valdir Avelino – Presidente do Sindicato dos Servidores Municipais de Ribeirão Preto, Guatapará e Pradópolis (presidencia@municipais.org.br)

Para modernizar o serviço público municipal e assim, cada vez mais, oferecer um serviço de qualidade à sociedade de Ribeirão Preto, é preciso valorizar, respeitar e capacitar sempre nossos servidores, oferecendo condições adequa­das de trabalho e estímulo ao crescimento na carreira. Com esta visão estratégica, há tempos, o Sindicato dos Servidores Municipais de Ribeirão Preto, Guatapará e Pradópolis vem cobrando e atuando em diversas áreas.

Na data-base deste ano, como não poderia ser diferente, a nossa pauta de reivindicações cobrava por mais investimentos no serviço público municipal, condições adequadas e seguras de trabalho e valorização dos servidores públicos municipais. Nessa linha, um fato inédito ocorreu em 2023, com a celebra­ção de um acordo no dissídio coletivo sobre as diferenças no vale-alimentação para a jornada 12 por 36 horas, na alteração da base de cálculo do adicional de insalubridade e na atuali­zação das requisições de pequeno valor (RPV), que passará a ser corrigida sempre pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo.

Segundo números divulgados em reportagem do jornal Tribuna, as conquistas recentes do nosso Sindicato e do con­junto da categoria irão trazer um incremento de mais de R$ 4,7 milhões na atual folha de pagamento. A direção do nosso Sindicato, com todo apoio da nossa equipe técnica e do nosso departamento jurídico, tem acompanhado com atenção as propostas de alteração da legislação municipal que o gover­no encaminhou à Câmara de Ribeirão Preto para que, após a apreciação dos vereadores, o município implemente o que acordou fazer no dissídio coletivo deste ano.

No que depender da força e da luta do nosso Sindicato e da nossa categoria, vamos colocar um fim definitivo no velho e surrado roteiro de corte de despesas e de contenção dos investimentos nas principais áreas dos serviços públicos. Essa visão do estado mínimo foi derrotada no Brasil e no mundo e só tem servido para violar direitos e tornar os serviços públi­cos insatisfatórios e não acessíveis à maioria. Tentou-se impor a enganosa lógica da austeridade e do estado mínimo para justificar cortes indiscriminados de despesas e fragilização de direitos que prejudicam a gestão pública e o atendimento às necessidades da população.

Em 2023, depois de muita luta, muita garra e muito esfor­ço comum, conseguimos mostrar para o conjunto da socieda­de que o servidor e o serviço público precisam de valorização, respeito e investimentos, e não de cortes. Mais do que um sentimento de dever cumprido, seguimos em frente saben­do que a valorização da categoria e do serviço público é um desafio constante, uma pauta nobre e permanente.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui