Em defesa da vacina e da vida

0
71

Valdir Avelino
Presidente do Sindicato dos Servidores Municipais de Ribeirão Preto, Guatapará e Pradópolis

 

Às vésperas do Dia de Finados, em 1º de novembro de 2021, quando mais de 600 mil famílias brasileiras sofriam pela perda precoce de entes queridos para o covid-19, o Ministério do Trabalho e Previdência do Governo Federal lançou a Portaria MTP nº 620, retirando a obrigatoriedade de trabalhadores tomarem a vacina contra a covid-19 e, assim, criando um ambiente de insegurança e desproteção sanitária para todos.

As nove principais centrais sindicais do país se uniram e emitiram nota contra esta portaria do Ministério do Trabalho que proíbe empresas de exigir a imunização ou demitir trabalhadores que não tomaram a vacina contra a covid-19. “Mais do que uma distorção do entendimento sobre as regras de convívio social, essa é a nova demons­tração, por parte do governo, de total falta de sensibilidade e empatia”, informam.

O advento da vacina contra o coronavírus em tem­po recorde foi uma conquista da humanidade e apenas a vacinação de todos nos permite retomar a economia e um saudável convívio social. Diante deste quadro, é impressionante – além de muito perigoso – que ainda haja quem simplesmente se recuse a tomar uma vacina quando chega sua vez. Tal comportamento revela não apenas uma enorme irresponsabilidade, do ponto de vista individual e coletivo, mas revela também os efeitos trágicos do nega­cionismo patrocinado pelo governo federal.

Evidentemente que as situações onde há determina­ção médica, para a não vacinação, devem ser respeitadas. Ninguém defende que qualquer cidadão tenha que ser vacinado contra a orientação da própria medicina. O que não é aceitável é o comportamento negacionista de alguns cidadãos que se revela inédito na bela história do Progra­ma Nacional de Imunizações (PNI), sucesso que é reco­nhecido no mundo inteiro.

Tal negacionismo, evidentemente, decorre do crimino­so ataque perpetrado por fake news contra as vacinas em geral e à Coronavac, em particular, por razões estritamente político-ideológicas, não científicas. Até a pandemia da covid-19, nunca nenhum brasileiro havia se ocupado de questionar a origem das vacinas que recebia contra as mais diferentes doenças. A alta adesão às campanhas de vacinação é uma marca nacional.

Recusar a vacinação por capricho ou por qualquer que seja o motivo que não uma determinação médica, é, sobretudo, um desrespeito à memória de mais de meio milhão de companheiros e companheiras aos quais não foi dada a chance de receber a proteção. Do governo federal não se pode esperar uma campanha de comunicação séria estimulando a população a se vacinar, não enquanto o negacionismo e o egoísmo estiverem à frente da Presidência da República.

Resta à imprensa, à chamada comunidade científica, ao movimento sindical e popular e, mais importante, a cada cidadão, reforçar em seus círculos de influência a impor­tância da vacinação como única forma de salvar vidas em um país já abatido por demais com tantas vidas perdidas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui