29 anos do Sindicato dos Servidores Municipais de Ribeirão Preto, Guatapará e Pradópolis FEMESP - Federação dos Sindicatos dos Servidores Públicos Municipais do Estado de São Paulo CTB - Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil
Filie-se
NOTÍCIAS DO MINUTO

Saiba a verdade sobre a democracia sindical



Até o próximo dia 09 de junho, os servidores municipais que participaram da Greve tem duas opções: optar ou não pela compensação dos dias não trabalhados. Já o Sindicato dos Servidores tem apenas uma opção: ficar do lado dos servidores independentemente da opção escolhida.

Respeitar e valorizar as diferenças na convivência cotidiana dos servidores municipais tem sido um desafio do nosso Sindicato. Democracia sindical verdadeira não significa o Sindicato buscar um jeito de impor uma visão única diante de um problema complexo, e sim conviver bem com as divergências e as individualidades.

 

Sindicato e servidor: diferentes papéis, um só objetivo

O Sindicato é o sujeito ativo do direito de greve. Mas o sujeito ativo do direito ao trabalho não é o Sindicato e sim o trabalhador. No Brasil, a greve é um direito individual, de exercício coletivo. Repor ou não repor os dias de greve é também um direito individual do servidor. A força do coletivo sempre diminui à medida em que não se favoreça a convivência e o respeito às individualidades.

Pela teoria dos poderes implícitos, quem pode o mais, pode o menos. Se o servidor é detentor da vontade de aderir ou não a uma greve (mais), está implícito o poder de manifestar sua vontade em optar ou não pela compensação dos dias não trabalhados (menos). 

O servidor que tem aptidão para externar sua vontade individual de aderir ou não a greve (mais) tem, logicamente, a mesma aptidão para externar a sua vontade individual de aderir ou não a opção pela compensação dos dias não trabalhados (menos).

Há um limite para a força das decisões coletivas. No centro da atividade sindical coletiva encontra-se sempre o ser humano, o trabalhador. A dignidade humana de todo trabalhador encontra seu principal fundamento na autonomia da vontade. Decisões coletivas voltadas a combater práticas ou políticas de governo prestigiam a dignidade do trabalhador. Já decisões coletivas voltadas a esvaziar a autonomia de vontade do próprio servidor acabam por agredir esta dignidade.

É profundamente antidemocrático postular o fechamento de questão em torno de uma questão complexa como a reposição ou não dos dias. Isso não é exercício de democracia sindical, e tampouco de liberdade coletiva. É tentativa de emparedar a autonomia de vontade do trabalhador - destinatário final do esforço coletivo.

O Sindicato existe para que o servidor possa realizar suas escolhas, elaborar seus planos e projetos de vida, refletir, ponderar,manifestar suas opiniões. Todas as escolhas dos servidores receberão respaldo do Sindicato e serão devidamente valorizadas e respeitadas. Decisões coletivas são instrumentos para se enfrentar o governo e suas políticas, não para limitar a autonomia de vontade do próprio servidor.

 

Leia mais em:

 

Optar ou não optar? Confira agora qual é a melhor opção para você

Fique bem informado antes de tomar sua decisão

Descubra agora como o Sindicato pode te ajudar numa decisão ponderada e esclarecida

 

Assista na íntegra parecer jurídico do Sindicato sobre a Resolução 001/2019:



Compartilhe:


Últimos Twittes

  • Reunião com os beneficiários do Processo dos 28,35.
  • Diretoria do Sindicato conversa neste momento com os trabalhadores do DAERP. A liminar proibindo os servidores da... https://t.co/wE3n31kmXt
  • O cardápio do Baile dos Servidores deste ano já está definido e ficou uma delícia. Confira! https://t.co/rWCO76N68w

Facebook

Sindicato dos Servidores Municipais de Ribeirão Preto e Guatapará - 2011
Fale Conosco | Rua XI de Agosto, 361 - Campos Elíseos - Ribeirão Preto - SP - Fone: (16) 3977-8100